Site Desenvolvido pela Agência Católica
Data : 29/09/2016

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

O suicídio precisar ser visto com atenção

suiCampanha de prevenção ao suicídio foi destaque, em setembro, porque é mais grave do que as pessoas imaginam

O mês de setembro teve início com uma proposta de conscientização trazida por alguns órgãos de promoção da saúde, com o tema prevenção do suicídio.

Antes de mais nada, essa campanha quer trazer o assunto do suicídio para a discussão popular com o intuito de prevenir mortes que poderiam ter sido evitadas. A quantidade de vidas perdidas ultrapassa o número de vítimas da AIDS e de alguns tipos de câncer. Ou seja, tornou-se alvo de preocupação por comprometer tantas pessoas de diversas idades, classes sociais, cores etc. É hoje um assunto de saúde pública.

O suicídio precisar ser visto com atenção

Um dado interessante que traz certa perspectiva de sucesso com essas campanhas é o fato de que nove em cada dez casos poderiam ser evitados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Ou seja, o assunto deve ser amplamente debatido e os preconceitos esclarecidos, para que o maior número de pessoas seja alcançado e indivíduos sejam salvos de um possível suicídio.

Identificar essas pessoas

Como identificar alguém que tenha ideação suicida? É possível ajudar de algum jeito?
Para iniciar o assunto e já fazer uma boa provocação sobre o tema, vou dizer que qualquer ser humano é passível de pensar sobre a morte e desejá-la em casos específicos da vida. Sim. Eu e você podemos passar por situações fortes na vida ou apresentar alguma disfunção biológica que nos faça, em algum momento, pensar em morrer. Ou simplesmente, podemos achar os dias muito cinzas, perder o encanto pela vida e o sentido no existir. As dores existenciais, que são aquelas dores na alma, não localizadas por nenhum exame de imagem, podem ser insuportáveis e fazer o indivíduo desejar a morte.

Atentar-se para essas realidades já é um grande passo no combate ao preconceito que existe em relação a doenças como depressão e bipolaridade, por exemplo, e que são estopins para o suicídio.

Os sinais

Existem pessoas que verbalizam suas dores e dão dicas de que pensam no suicídio, dizendo frases como: “preferia estar morta”, “não deveria ter nascido”, “o mundo seria um lugar melhor sem mim” ou até aquelas frases mais inocentes como “queria sumir” e “desejo dormir e não acordar mais”. Esses são alguns sinais de que o indivíduo não está bem e precisa de ajuda.

O mais indicado seria um acompanhamento psicoterapêutico e, se necessário, um psiquiatra, que vai avaliar a necessidade de medicamento. Aos poucos, a população começa a se conscientizar de que os cuidados com a saúde psíquica são tão importantes e necessários quanto os cuidados com a saúde física. Assim, um medicamento para alguns casos pode ser extremamente eficaz no combate às doenças como depressão, que pode levar ao suicídio. Só para aproveitar o assunto, é válido dizer que a informação é o melhor remédio no combate ao preconceito, que ainda persiste quando o assunto é depressão, terapia e medicamentos psiquiátricos.

Voltando a falar sobre como identificar pessoas que tenham ideação suicida, existem também aquelas que não costumam expor o que sentem. Nesses casos, a observação dos comportamentos será mais valiosa que as frases ditas.

Quando alguém apresenta mudanças comportamentais que persistem por muitos dias, o sinal de alerta pode ser acionado, ou seja, se alguém que costuma ser falante, risonho e sociável, passa a ficar mais retraído, isolado e triste, certamente algum tipo de ajuda está precisando.

Setembro Amarelo

Na campanha do Setembro Amarelo, existe uma chamada que diz: “falar é a melhor solução”. Então, esteja disposto a dialogar com alguém que parece não enxergar um sentido na vida. O outro apresenta alguma resistência ao diálogo, procure formas de acessar o seu coração. Por mais desafiador que pareça, lembre-se, nessas horas, que nenhum ser humano é inalcançável.

Por algum ou vários motivos, pode acontecer de alguém desenvolver mecanismos de defesa para se proteger de algumas dores, podendo ficar extremamente calado ou agressivo em certos momentos. Se o diálogo parecer impossível num primeiro momento, use a sua criatividade e o seu conhecimento sobre essa pessoa que você ama; inove, surpreenda e descubra diferentes formas de mostrar que você a ama e está ao lado dela nesse momento difícil.

Demonstre afeto

Gestos podem traduzir algumas palavras significativas. Fazer uma comida especial, comprar uma lembrança ou até escrever bilhetes podem ajudar a derreter a geleira que se estabeleceu no coração do outro. Ouse. Arrisque-se nas tentativas de alcançar alguém que precisa de ajuda.

É importante também avaliar a profundidade da situação, ou seja, se a pessoa está passando por um sofrimento pontual, alguma tristeza ou frustração, não vá logo achando que ela está pensando em suicídio. As tristezas são tão importantes quanto as alegrias e podem trazer ensinamentos preciosos, que nem todo sorriso traz. Então, se são lágrimas que se apresentam nessa hora para o seu amigo, chore junto com ele e, quando possível, ajude-o a enxergar novas perspectivas a partir desse sofrimento. Muitos ignoram ou rejeitam as incríveis possibilidades de crescimento que moram numa dor. Não seja dessas pessoas.

Por fim, é possível encontrar materiais de excelente qualidade que informam sobre o suicídio e algumas formas de prevenção. A Associação Brasileira de Psiquiatria oferece gratuitamente uma cartilha chamada “Suicídio: Informando para Prevenir”, que pode ser encontrada nesse link: http://www.cvv.org.br/downloads/suicidio_informado_para_prevenir_abp_2014.pdf

Como cada ser humano é único e cada caso de apresenta de forma muito particular, é importante compreender o que o familiar, o amigo, o parceiro ou até o colega de trabalho está vivenciando nesse momento, como é sua visão de mundo e qual a melhor forma de ajudá-lo. Assim, se encontrar uma oportunidade, pergunte abertamente: o que você gostaria que eu fizesse para ajudá-lo nesse momento?

Lembre-se, antes de qualquer coisa, que você está se propondo a entrar no território precioso e sagrado do outro, portanto, haja com respeito, cautela e evite julgamentos. Muitos podem achar que “dando um chacoalhão”, a pessoa irá melhorar. Não é bem assim.

Pensar em tirar a própria vida é algo sério, uma alternativa que muitos escolhem por estarem em desespero, sem perspectivas de vida. Portanto, recubra-se de amor, compaixão e uma dose extra de compreensão para colocar-se ao lado de alguém que precisa da sua ajuda.

miMilena Carbonari

Palestrante em empresas, escolas e comunidades, a psicóloga Milena Carbonari é pós-graduanda em Educação e Terapia Sexual e terapeuta de EMDR (tratamento de traumas e fobias). Milena também possui formação em Constelações Familiares.
Contato: psicologa@milenacarbonari.com.br